Contracapa

Júlio Dolbeth

de 16 abril a 11 junho
Foyer do Auditorio de Espinho | Academia

Em 2012, por ocasião do 10.º aniversário do site Bodyspace (2002-2020), fui convidado pelo seu mentor André Gomes para interpretar 10 capas de discos iconográficos que marcaram a minha geração. Dez anos depois, o André volta a desafiar-me a convocar uma nova seleção de capas de discos, desta vez vindos do Brasil. A música está sempre presente no meu processo de trabalho e tentar descrevê-la visualmente é um desafio estimulante. A proposta é de diálogo com as capas originais interpretadas à luz do meu imaginário.

Descobrir um disco pela sua capa sempre me fascinou pela forma sinestésica com que relacionamos o som e a imagem. No mundo cada vez mais digitalizado que tende a desvanecer o disco como objeto físico, não descuida a sua ligação com a imagem, sempre de mãos dadas com o som. A música faz-nos viajar no tempo, expandir narrativas, amplificar emoções. Foi com muito entusiasmo que acolhi a proposta do André e aceitei o desafio de inscrever esta nova seleção de discos no meu repertório visual. “Disco é Cultura”.

- Júlio Dolbeth

A Associação